Bioética: tendências

Karine Keiko Leitão Higa, Felipe Salles Neves Machado, Rafael Bernardon Ribeiro, Quirino Cordeiro

Resumo


Neste artigo pretendemos traçar um perfil histórico da evolução do conceito e identificar as principais tendências relacionadas ao campo da Bioética. Para tal, inicialmente faremos uma discussão da literatura acerca do percurso histórico do desenvolvimento do conceito no mundo e no Brasil. Na segunda parte, iremos relacionar a evolução conceitual e seus referenciais teóricos. Na terceira e última parte do trabalho, teremos a apresentação e discussão das principais tendências em Bioética desde sua descrição original.


Palavras-chave


bioética, histórico, atualização

Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ-DÍAZ, J. A. Challenges of bioethics in twenty-first century medicine. Revista peruana de medicina experimental y salud pública, v. 28, n. 4, p. 657–63, dez. 2011.

DE SOUZA, R. T.; DE FARIAS, A. B.; FABRI, M. Alteridade e Ética. 1. ed. Porto Alegre: EdPUCRS, 2008.

DEL-PORTO, J. A. Epidemiologia e aspectos transculturais do transtorno obsessivo-compulsivo. Medical Interface, v. 23, n. Supl II, p. 3–5, 2001.

DIMOULIS, D.; MARTINS, L. Teoria geral dos direitos fundamentais. São Paulo: Atlas, 2007.

DURAND, G. Introdução geral à bioética: história, conceito e intrumentos. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2007. p. 431

FRANÇA, D. N. O. Métodos e enfoques na produção de conhecimentos em Bioética , anos 2001-2008. Revista de Bioética, v. 18, n. 1, p. 155–163, 2010.

GARRAFA, V. Bioética e ciência: Até onde avançar sem agredir. CEJ, v. 3, n. 7, 1999.

GOLDIM, J. R. Bioética complexa: uma abordagem abrangente para o processo de tomada de decisão. Revista da AMRIGS, v. 53, n. 1, p. 58–63, 2009a.

GOLDIM, J. R. Revisiting the beginning of bioethics: the contribution of Fritz Jahr (1927). Perspectives in biology and medicine, v. 52, n. 3, p. 377–80, jan. 2009b.

JAHR, F. Declaração de Rijeka sobre o futuro da bioética. p. 587–588, 1927.

JR, R. M. Edmund Pellegrino : ícone da Bioética Cristã. v. 7, n. 2, p. 190–198, 2013.

LEAL, J. W. B. Reprodução Humana. Rio de Janeiro: Revinter, 1994. p. 270

PELLEGRINO, E. D. The origins and evolution of bioethics: some personal reflections. Kennedy Institute of Ethics journal, v. 9, n. 1, p. 73–88, mar. 1999.

PESSINI, L. As origens da bioética: do credo bioético de Potter ao imperativo bioético de Fritz Jahr. Revista Bioética, v. 21, n. 1, p. 9–19, 2013.

PESSINI, L. AND C. DE P. DE B. Bioética na Ibero-America. São Paulo: Edições Loyola, 2007. p. 398

PORTO, D. et al. Bioéticas , poderes e injustiças 10 anos depois. Brasília: CFM/Cátedra Unesco de Bioética/ SBB, 2012. p. 396

POTTER, V. R. Fragmented ethics and “bridge bioethics”. The Hastings Center report, v. 29, n. 1, p. 38–40, 1999.

REICH, W. T. The word “bioethics”: the struggle over its earliest meanings. Kennedy Institute of Ethics journal, v. 5, n. 1, p. 19–34, mar. 1995.

SADALA, M. L. A. A alteridade: o outro como critério. Rev. Esc. Enf. USP, v. 33, n. 4, p. 355–7, 1999.

SEGRE, M.; COHEN, C. Bioética. 3. ed. São Paulo: Edusp, 2002.

SILVA, S. L. DA. A ética das virtudes de Aristóteles. [s.l.] Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.